Como posso manter saudável o meu uso das mídias sociais?

O uso das mídias sociais desempenha um papel importante no mundo moderno de hoje, permitindo que nos conectemos uns com os outros imediatamente, não importa onde estejamos. 

Há muitos benefícios para o uso das mídias sociais. Ela nos permite conectar com a família ou amigos que estão ocupados ou distantes, ser convidados para eventos próximos instantaneamente, reunir-se em torno de causas comuns e aumentar a conscientização sobre questões, bem como encontrar grupos que compartilham nossos hobbies ou interesses. 

Também pode ser uma ferramenta maravilhosa para negócios, promoção e networking profissional. Os indivíduos que são sociais no ‘mundo real’ são mais propensos a passar mais tempo nas mídias sociais, já que o mundo real e online refletem uns aos outros. Portanto, faz sentido como tem sido cada vez mais reconhecido que as redes sociais têm um impacto positivo em nossa conexão social e bem-estar. 

Entretanto, a capacidade de interagir com outras pessoas sem contato imediato face a face, bem como a sensação de anonimato encontrada em algumas plataformas de mídia social significa que ela também pode promover interações sociais para aqueles que acham a socialização difícil e pode fornecer um “trampolim” natural para uma interação mais significativa, menos ansiosa – invocando a interação face a face.

Infelizmente, o uso das mídias sociais pode ter um impacto negativo em nossa saúde psicológica se não tivermos cuidado. As pessoas que têm baixa auto-estima, pouco controle de impulso ou uma tendência ao vício devem prestar atenção especial ao uso das mídias sociais. Abaixo estão algumas dicas sobre como manter seu uso das mídias sociais saudável.

Cuide de sua auto-estima evitando comparações sociais negativas 

Lembre-se de que ao olhar os posts e fotos de outras pessoas on-line você está frequentemente olhando para uma “bobina de destaque” da vida delas, não como é necessariamente a vida delas no dia a dia. 

Às vezes, olhando a vida de outras pessoas nas mídias sociais cria-se uma imagem ‘perfeita’; cheia de aniversários, diversões, férias e festas, o que pode nos fazer sentir inadequados por comparação. Tenha em mente que é comum as pessoas publiquem os momentos mais divertidos e interessantes de suas vidas e não os do cotidiano. 

Também é comum que as pessoas adicionem filtros, ou alterem as imagens de si mesmas para obter o visual perfeito, assim como tirem muitas, muitas fotos e apenas publiquem aquela foto ‘perfeita’. 

Tudo isso contribui para criar expectativas irrealistas para nossa aparência, comportamento e estilo de vida. Podemos ajudar a aliviar este sentimento estabelecendo metas realistas e alcançáveis para nós mesmos em todas as áreas da vida, como nossa carreira, educação, aptidão física e estilo de vida em geral. Procure criar seu “melhor eu”, comparando-se apenas com seus objetivos.

A mídia social é uma ferramenta: você a usa, ela não deve usar você!

Lembre-se por que você criou uma conta e fez o login em primeiro lugar. Foi para manter contato com amigos do colegial? Encontrou um grupo para seu hobby? As mídias sociais podem ser altamente distraíveis e viciantes e muito fáceis de procrastinar. Portanto, é importante auto-regular seu uso da mídia social para garantir que você não esteja usando-a como uma forma de evitar o mundo real, mas sim como um recurso para ampliar sua experiência com ela.

Se você sente que está gastando muito tempo com a mídia social, manter um diário de quando, com que frequência a utiliza e como se sentiu quando a utilizou, pode ajudar a revelar padrões emocionais ou de comportamento ligados ao uso da mídia social.

A validação no mundo real é igualmente importante

É fácil perder-se em colocar nossa auto-estima em quantos amigos no Instagram temos, ou em quantas curtidas e comentários nossas fotos foram tiradas em comparação com outras.

Embora seja de natureza humana querer se sentir validado e apreciado, é importante lembrar quem são seus amigos reais e priorizar as relações reais em detrimento das virtuais. Tenha em mente o que a amizade real significa para você. 

Também é muito fácil ficar preso em uma ‘câmara de eco’ e cercar-se de pessoas que sempre concordam com o que você diz. Até mesmo o próprio Facebook incentiva isto sugerindo páginas e anúncios baseados no que você já gostou ou comentou anteriormente. 

Não é realista que todos gostem ou concordem com todos os outros, pois somos todos tão diferentes, portanto, tenha cuidado para não se fechar. Evite experiências com outros ou de se juntar a um grupo que reforça ou seu próprio comportamento negativo ou preconceituoso. Em vez disso, use sua própria avaliação lógica para julgar o conteúdo: as mídias sociais podem ser usadas como uma ferramenta para desafiar nosso próprio ponto de vista e nos abrir a novas experiências.

A comunicação é diferente on-line e fica lá para sempre.

Ao se comunicar através da sua gestão de redes sociais, a falta de linguagem corporal e de pistas sociais implícitas pode levar o que dissemos a ser mal interpretado e causar angústia a outra pessoa sem que nos demos conta, uma vez que não podemos ver a reação da outra pessoa. Tenha cuidado para que seu tom nem sempre possa ser compreendido claramente através da comunicação textual e que o sarcasmo possa ser especialmente mal interpretado. Como no mundo off-line, desconfie de trazer à tona tópicos polêmicos, como política e religião.

A divulgação de informações pessoais sobre você ou outros pode ser perigosa.

Lembre-se que nada na Internet é verdadeiramente privado, portanto, se não for algo que você queira que um estranho (seja ele um ladrão em potencial, amigo, amante ou futuro empregador) veja, não publique.

Essa é a dica de Pedro Amorim, especialista e sócio-diretor da Estação Indoor Agência de Facebook Ads e completa dizendo: “Nunca publique que sua casa está vazia, pois isso pode encorajar invasões do seu domicílio”.

Sempre bloqueie e denuncie qualquer usuário que assedie ou intimide você ou outros online.

Caso aconteça algum problema que você se sinta ameaçado, bloqueie este usuário, mas se ele persistir, por favor não pense duas vezes: Procure a polícia! Vivemos em tempos estranhos, mas saiba diferenciar a sua situação! 

Esperamos ter ajudado. Caso você tenha uma sugestão que vá ajudar a quem precisa, por favor, deixe aqui nos comentários! Contamos com sua participação neste tema crucial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.