Saúde bucal infantil: “julho laranja” traz ações para conscientização  

Campanha tem objetivo de falar sobre a importância da prevenção e do tratamento de doenças ortodônticas em crianças

É no período de férias escolares que pais e mães costumam levar seus filhos ao dentista. Essa procura fez com que um grupo de odontopediatras do Distrito Federal (DF) criassem a campanha “Julho Laranja”, de prevenção e importância da Ortodontia preventiva em crianças a partir de 6 anos de idade. A cor vibrante foi escolhida por simbolizar alegria, vivacidade e confiança.

Idealizada pela odontopediatra e ortodontista Cibele Albergaria, a ação conta com o apoio dos colegas Ricardo Fabris Paulin, Denise Poubel Vilar, Patrícia Zambonato Freitas e Daniela Gamba Garib Carreira. A ideia também é ajudar as crianças a terem hábitos mais saudáveis no que diz respeito à higiene bucal, alimentação e a como ter uma boa noite de sono.

A campanha já está no seu 3° ano de trabalho. De acordo com a plataforma do Google Trends, que analisa as tendências de buscas na plataforma, este já é o melhor ano da ação, que nunca registrou tantas pesquisas como agora em 2022. Os números atingem 100% de pesquisa, com previsão de ainda mais crescimento. 

Ainda de acordo com a plataforma, os estados que mais pesquisam sobre a ideia são Sergipe, Santa Catarina, Maranhão, Paraná e Distrito Federal, respectivamente. 

Dentre as consultas relacionadas, vemos termos conhecidos como o Agosto Dourado, sobre a amamentação para a saúde do bebê; o Janeiro Branco, sobre Saúde Mental e Emocional das pessoas e das instituições humanas; e o próprio Julho Laranja, desta vez em 2020. 

Problemas ortodônticos mais comuns em crianças entre 5 e 7 anos

É muito comum que pais e mães tenham dificuldade em encontrar problemas ortodônticos em seus filhos, ainda mais quando estes têm entre 05 e 07 anos de idade, o que pode ocasionar sérios problemas. Esperar, por exemplo, que todos os dentes permanentes apareçam podem tornar o reparo mais difícil, já que 60% da face já está pronta até os 4 anos de idade e 80% até os 6 anos. 

Por conta disso, é essencial que aconteçam campanhas como a do Julho Laranja. O objetivo é conscientizar os responsáveis a levarem as crianças aos consultórios odontológicos. Diante disso, é interessante que pais e mães mantenham em dia o plano dental da família, para o caso de algum procedimento corretivo que poderá evitar traumas no futuro e que, infelizmente, não é ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A seguir, veja alguns exemplos: 

Mordida cruzada anterior

Também conhecida como “mordida invertida”, a mordida cruzada anterior é quando os dentes da frente estão cruzados, fazendo com que os incisivos inferiores fiquem à frente e até mesmo cobram os superiores. Caso não tratado ainda na fase de crescimento, pode ser necessária a realização de uma cirurgia de correção no futuro.

Mordida cruzada posterior

A mordida cruzada posterior acontece quando há uma inversão na mordida entre os dentes de trás da criança, tanto superiores quanto inferiores. Faz-se uma analogia da mordida com uma caixa de sapato, como se a tampa não conseguisse cobrir a caixa por fora.

Pode ser só de um lado da boca (unilateral), ou dos dois (bilateral). Ambos os casos necessitam de tratamento precoce, já que podem provocar danos irreversíveis na articulação temporomandibular, aumenta a incidência de dores de cabeça e causa restrição do posicionamento mandibular.

Mordida aberta

Caracterizada quando os dentes da frente não tocam um a superfície do outro, a mordida aberta tem como principais causas o hábito prolongado de chupar chupeta e/ou o dedo, respirar pela boca ou tem postura uma postura errada da língua durante o seu momento de repouso ou quando está engolindo algum alimento.

Apenas em 2 a cada 10 casos esse problema não se resolve sozinho, correndo risco de ser uma anomalia complexa e de difícil tratamento. No mais, basta interromper o uso de chupetas e mamadeiras até os quatro anos de idade.

Perda precoce dos dentes de leite

Acontece quando os dentes provisórios caem antes do tempo. Dentre as ações, podem ser por cárie externa, esfoliação precoce da sua raiz (reabsorção) ou até mesmo por acidente. Caso aconteça, é fundamental que os pais levem a criança ao odontopediatra, pois pode ser necessário instalar algum dispositivo que substitui o item perdido, evitando então a movimentação errada dos outros dentes de leite, fato que poderia atrapalhar o nascimento dos novos.

Retenção prolongada dos dentes de leite

Ao contrário do caso anterior, aqui o problema está no fato dos dentes provisórios demorarem a cair, o que prejudica o nascimento dos novos e definitivos itens da arcada dentária da criança. Deve ser percebido em casos de jovens acima dos 06 anos. De todo modo, é de bom tom que a criança come alimentos mais fibrosos, sempre mastigando muito bem. Esse é o intuito do Julho Laranja: falar dos principais problemas e dar dicas de como evitá-los.